VARIEDADES Vida Saudável e Alimentação

Existe Sal mais saudável? Qual devo consumir?

Compartilhe nas redes sociais!

O sal é um mineral formado principalmente por cloreto de sódio. É produzido pela evaporação da água salgada ou pela extração de minas subterrâneas de sal. Para obter aquele sal branco que estamos acostumados a encontrar nas prateleiras dos supermercados é necessário um processo de refino para remover impurezas e quaisquer outros minerais além do cloreto de sódio. Em alguns casos, agentes antiaglomerantes são adicionados para ajudar a absorver a umidade. Existe também a adição do iodo, o qual é incluído para prevenir a deficiência de iodo na população , prevenindo assim o bócio (doença resultante do crescimento atípico da glândula tireoide, manifestado na parte frontal do pescoço, ou seja, a doença consiste no aumento da tireoide).

Atualmente surgiram diversos tipos de sais, que prometem ser mais saudáveis e isso tem causado dúvidas entre os consumidores. A matéria dessa semana tem como objetivo esclarecer alguns pontos e tentar ajudar o leitor na escolha e consumo do sal.

O principal pensamento e certeza que devemos tem em mente é que o consumo de nenhum sal deve ultrapassar os 5 gramas diários recomendados pela (OMS) Organização Mundial de Saúde. Essa quantidade engloba não só o sal que você adiciona à comida quando está à mesa, mas todo aquele usado na preparação dos alimentos.

O consumo maior do que o estipulado pela OMS pode acarretar em diversos problemas de saúde como, por exemplo, doenças cardíacas e hipertensão, entre outros problemas. Um ponto a ser destacado é que, apesar de em excesso ser um problema, o sódio também é importante para o equilíbrio hídrico do corpo, os impulsos nervosos, contração muscular e transporte de moléculas entre as nossas células.

Afinal, qual a diferença entre os Sais?

Vou citar alguns dos principais sais utilizados na culinária

Todos são cloreto de sódio, o que muda apenas é a forma como são obtidos.

O Sal refinado além de passar por inúmeros processos de refino é acrescido de iodo para combater a epidemia de bócio e hipotireoidismo. Um grama desse sal tem 390 mg de sódio

 A flor de sal é um aglomerado de cristais sendo considerado o tipo mais puro, o que faz ser mais rico em sódio, esse tipo é mais comum no mundo gourmet para a finalização de pratos. Um grama contém 450 mg de sódio.

O Sal marinho é mais caro do que o sal de cozinha por ser raspado manualmente da superfície de lagos de evaporação. Seu processamento não é intenso preservando mais os sais minerais. Um grama contém cerca de 420mg de sódio. Pode ser grosso, fino ou em flocos. Dependendo da região que é retirado e da composição de minerais pode ser branco, rosa, preto, cinza ou de uma combinação de cores.

Existe também o famoso sal rosa ou do Himalaia, apresenta cor salmão rosado extraído da mina de sal de Khewra, localizada perto do Himalaia no Paquistão. Por não ser refinado, é livre de aditivos, podendo ser considerado mais natural do que o sal branco de mesa, porém sua maior composição também é o cloreto de Sódio. Esse sal possui micronutrientes, como fósforo, zinco e bromo, na sua composição, como afirmam os fabricantes, porém a questão é que essas substâncias estão presentes em quantidades muito pequenas e para se obter os benefícios oferecidos por eles, seria necessário um consumo altíssimo do alimento, muito além dos 5 gramas. recomendados. É verídico o fato de que ele tem menos sódio do que o refinado, porém a diferença é muito pequena. Outra recomendação é que devemos ficar de olho, pois existem muitas imitações desse sal a venda nas prateleiras.

Seu processo de extração permite que o sal rosa do Himalaia conserve outros tipos de minerais e oligoelementos que não são encontrados no sal comum de mesa. Alguns estudos relatam que o sal do Himalaia pode conter até 84 minerais e oligoelementos diferentes. São esses minerais, especialmente o ferro, que lhe conferem a coloração rosa característica. Um grama contém 230mg de sódio.

Sal light

Esse tipo de sal é a melhor opção para os hipertensos, pois é composto por 50% de cloreto de sódio e 50% de potássio, porém exige cuidado no uso, não podemos “salgar a mão” na hora de utilizá-lo, mesmo possuindo metade do teor de sódio do sal comum, pois a ingestão de potássio em excesso também pode causar problemas, como fraqueza muscular e alteração no ritmo cardíaco. A quantia utilizada deve ser a mesma aconselhada para os demais sais. Do contrário, não haverá redução na ingestão de sódio e no risco de eventos cardiovasculares. Pessoas com problemas renais devem evitar seu consumo. Um grama desse sal tem 390 mg de sódio

Conclusão

O sal mais saudável é aquele que possui menor concentração de sódio, pois este mineral é responsável por aumentar a pressão arterial e promover a retenção de líquidos. Outro ponto importante que devemos ficar atentos é optar por aqueles que não são refinados, pois preservam os minerais naturais e não possuem adição de compostos químicos. Todos são fontes de sódio e devem ser utilizados com cautela, o melhor a fazer é consumir uma quantidade baixa independente do tipo de sal e optar por temperos naturais que realcem o sabor dos alimentos, evitar o consumo de temperos e alguns alimentos industrializados. Uma alternativa para a redução do consumo é a adoção da tática de redução lenta do uso do sal, pois é mais efetiva do que a diminuição drástica e repentina. O uso de temperos naturais como tomilho, manjericão, gengibre, grãos de mostrada, ressaltam o sabor da preparação e diminui a necessidade do sal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *